Notícias


PIB do agronegócio cairá 2% este ano e terá alta de 0,5% em 2018, estima CNA


O PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio deve cair 2% este ano, estima a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Para 2018, a previsão é de uma alta de 0,5%. Ainda de acordo com a entidade, o setor deve encerrar o ano com participação de 23,5% do total do PIB. As previsões foram divulgadas nesta 3ª feira (5.dez.2017), em evento na sede da confederação, em Brasília.

Para este ano, a previsão de crescimento da safra agrícola é de 11% em relação à passada. Segundo Bruno Lucchi, superintendente técnico da CNA, o clima teve papel preponderante para a safra recorde.

O presidente da CNA, João Martins, ressalta que 2017 foi 1 ano atípico. “Foi 1 ano excepcional, tanto em termos de clima como da disposição dos produtores, que entenderam que deviam jogar mais tecnologia na terra e ter mais abertura de frente de plantio.”

A expectativa é de que haja uma queda de 6% na produção de grãos em 2018, com 223,9 milhões de toneladas. “O clima deste ano foi bastante favorável e dificilmente se repetirá. Para o próximo ano, o La Niña pode prejudicar a safra da região Sul de dezembro deste ano a fevereiro de 2018.”

O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, destaca que, neste ano “o clima foi excelente, mas os preços foram ruins“. Isso porque o faturamento da agropecuária não acompanhou a safra recorde. A expectativa é de queda de 2,36%, para R$ 537,8 bilhões.

Cenário econômico

A CNA prevê uma continuidade do processo de recuperação da economia brasileira. “Os ventos favoráveis deste ano, principalmente para o consumo, devem se enfraquecer em 2018. O aumento do salário mínimo deve ser muito pequeno em 2018, não devem haver mais liberações das contas inativas do FGTS e do PIS/Pasep, como neste ano.”, de acordo com Luiz Suzigan, diretor de economia da LCA Consultores.

Apesar da incerteza eleitoral, o consumo deverá continuar a ganhar impulso, contando com uma ajuda maior do crédito, efeito da flexibilização da política monetária do Banco Central, de acordo com Suzigan.

A previsão é de crescimento econômico de 2,5% em 2018. Para este ano, de 0,9%. A CNA acredita que 2 fatores deverão limitar o ritmo da retomada: o volume de exportações, que deverá desacelerar, e a agropecuária, que não repetirá o desempenho favorável de 2017.

Avaliação da CNA é de que uma boa condução da política fiscal será determinante para a economia nos próximos anos. “Principalmente pelo fato de que o Brasil precisa de uma reavaliação positiva das agências de rating para demonstrar ao mercado que o caminho perseguido é de ajuste fiscal.”

Para os juros, a estimativa é de que a Selic encerre o ano em 7% ao ano. O que, de acordo com a entidade, deve favorecer o consumo e a atividade econômica no início do próximo ano. Ainda no ambiente doméstico, 1 superavit primário pode se concretizar em 2018 caso as reformas tributária e previdenciária sejam aprovadas.

No cenário exterior, a normalização monetária dos Estados Unidos e na Europa poderá influenciar o mercado brasileiro.

Fonte: Poder 360
Publicada em:: 05/12/2017

    

Eventos

Fotos dos Eventos

Confira as fotos dos últimos eventos