Notícias


Mudança de monotrilho para BRT na Linha 18 é descartada


Sugerida pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, a mudança do modal da Linha 18-Bronze do Metrô (Tamanduateí-Djalma Dutra), que ligará o ABC a São Paulo, de monotrilho para BRT (Bus Rapid Transit) está descartada pelo governo estadual. A proposta também sofre ressalvas da concessionária VemABC, responsável pela obra e pela operação do ramal, pois o contrato não prevê a alteração no projeto.

Em nota, a Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos informa que a mudança de modal não consta na PPP (Parceria Público-Privada) com a VemABC, firmada em agosto de 2014. A proposta oficializada pelo colegiado de prefeitos da região é que o traçado fosse mantido, com partida de São Paulo e passagem por São Caetano, Santo André e São Bernardo, mas em vez de monotrilho, o atendimento seria por ônibus que, na visão da entidade, seria mais barato em meio à crise econômica.

No entanto, a ideia anunciada pelo prefeito de São Bernardo e presidente do Consórcio Intermunicipal, Orlando Morando (PSDB), esbarra no contrato, nas diferenças estruturais e também com relação aos impactos ambientais entre os tipos de vias elevadas de um monotrilho e de um BRT. Um exemplo é o comparativo de sombreamento perante a luz solar, maior na estrutura para ônibus ao projeto original.

Diretor-presidente da VemABC, Maciel Paiva diz que o formato do modal da Linha 18 é uma discussão que compete apenas aos entes do poder público, ou seja, entre Estado e municípios. Mesmo assim, o executivo ratifica a informação da Secretaria de Transportes Metropolitanos. “A mudança de modal não faz parte do contrato, que prevê a construção e operação do monotrilho”, afirma.

Para o diretor de Engenharia e Construções do Metrô, Paulo Meca, a alteração para o BRT traria maior impacto ambiental e classificou a ideia como “judiação” por parte do Consórcio Intermunicipal. “A Linha 15 (Prata do Metrô, também em formato de monotrilho), nasceu no lugar do que seria o Expresso Tiradentes, sistema de ônibus que colaboraria na emissão de CO2 (dióxido de carbono) e que não teria a mesma capacidade de transporte do monotrilho. Então o ABC merece coisa melhor”, aponta.

Entre os argumentos favoráveis ao monotrilho, estão a baixa emissão de agentes poluentes e de ruídos sonoros, além da capacidade de transportar de 20 mil a 40 mil passageiros por hora. Outro ponto é que esse tipo de estrutura não sofre interferência de chuvas em relação à velocidade do veículo e tampouco não enfrenta problemas quanto às enchentes.

A ideia de mudança de modal da Linha 18 de monotrilho para BRT foi dada inicialmente pelo deputado federal Alex Manente (PPS), em entrevista ao RDtv. Em junho, Morando também adotou a sugestão, em decorrência da demora do início das obras da linha metroviária.

Inclusive, o tucano foi procurado pela reportagem para comentar a nota do Estado, porém, informou que não houve qualquer informação oficial sobre o assunto e optou por não comentá-lo.

Fabricante é da Malásia

A empresa contratada para fabricação dos 32 monotrilhos que estarão à disposição da Linha 18 é a Scomi, da Malásia (foto), também responsável pelas 14 composições da futura Linha 17-Ouro (São Paulo Morumbi-Jabaquara). Todos os modelos para o ramal do ABC serão produzidos no Brasil, pela fábrica a ser construída em Taubaté, interior paulista.

Vice-presidente da Brasell, empresa sócia da Scomi no Brasil, Halan Moreira também destaca os problemas de uma eventual mudança de monotrilho para BRT. “Seria necessário fazer tudo de novo (licitação e contrato) e demoraria mais tempo. E as dificuldades que ocorrem no ABC (devido às burocracias na disponibilização de verbas) é de todo o Brasil”, pontua.

A Linha 18 terá 13 estações numa extensão de 15,7 km e partirá da região central de São Bernardo, próximo ao Paço, com passagens em Santo André e São Caetano, à Estação Tamanduateí, em São Paulo, onde haverá a conexão com a Linha 2-Verde (Vila Prudente-Vila Madalena) do Metrô e a Linha 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra) da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Obras ficarão mais caras

Orçado em R$ 4,6 bilhões em julho de 2014, com R$ 2,3 bilhões dotados pelo Poder Público e a outra metade levantada pelos sócios da VemABC, a Linha 18 ficará mais cara devido ao atraso do projeto. Segundo Paiva, o valor previsto pela iniciativa privada já está em R$ 3,5 bilhões, por meio de financiamento pela Caixa Econômica Federal na linha Pró-Transporte e por recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

De acordo com a Pasta de Transportes Metropolitanos, os valores investidos são corrigidos anualmente com base em índices oficiais, conforme estabelecido no próprio contrato. A destinação de verbas públicas está dividida em R$ 1,2 bilhão por meio de financiamento do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), R$ 400 milhões de repasse do Orçamento Geral da União e R$ 252,4 milhões oriundos do Tesouro do Estado. Além do aporte, o projeto prevê R$ 406,9 milhões para as desapropriações.

O Estado prorrogou por mais seis meses o prazo para que a concessionária VemABC dê início às obras do monotrilho, em publicação no Diário Oficial no dia 14 de junho. Nesse período, o governo paulista espera que a Secretaria do Tesouro Nacional revise classificação de categoria “C”, dada pela Cofiex (Comissão de Financiamentos Externos), vinculada ao Ministério do Planejamento, às condições de pagamento a um possível financiamento externo, a fim de receber as verbas pelas desapropriações.

Fonte: Repórter Diário
Publicada em:: 13/07/2017

    

Eventos

Fotos dos Eventos

Confira as fotos dos últimos eventos